COMPARTILHAR

A Samsung trouxe, no ano passado, o Galaxy S7 ao mercado brasileiro. O smartphone premium chegou com um processador Exynos 8890 de oito núcleos, memória RAM de 4GB e armazenamento interno de 32GB. A tela é uma Super AMOLED de 5.5 polegadas, enquanto a câmera traseira possui 12 megapixels e frontal de 5 MP. Com todo o caso dos incidentes com o Galaxy Note 7, a fabricante decidiu esperar um pouco mais o anúncio do S8. Mas ainda é vantagem comprar um Samsung Galaxy S7 ou esperar o sucessor? É o que vamos descobrir nas próximas linhas!

O Samsung Galaxy S7 é um aparelho atraente. Ele possui um design de metal e vidro e as bordas são curvas. Confesso que me desacostumei a usar smartphones com telas menores. Minhas mãos são grandes e fico desconfortável na hora de digitar, entre outras coisas. Foi estranho usar o S7 por isso. Mesmo com tela de 5.1 polegadas, achei o aparelho pequeno. Não é um ponto negativo. Pelo contrário. O trabalho da Samsung em apresentar um dispositivo com características premium resultou numa pegada confortável.

E isso é bem diferente em relação ao Galaxy A7 2016. Os dois modelos são de metal e vidro, mas quando testei o A7 ano passado, a impressão que eu tinha era que o aparelho ia escorregar e espatifar no chão a qualquer momento. Isso eu não senti no S7, embora as marcas dos dedos sejam mais aparentes na traseira do smartphone top de linha que no intermediário. O aparelho ainda é resistente à água e poeira. Então tudo bem se você deixar se molhar, ou deixar cair… sei lá… na piscina!

Quanto ao desempenho, o Galaxy S7 não faz feio. Ele vem com o Android 6.0.1 Marshmallow e a interface TouchWiz, que parecia ser o pesadelo de muitos em modelos mais antigos, está mais polida. Está mais elegante também. Mesmo assim, ela consome 7,32GB de todo o armazenamento do aparelho. Mas você fica ainda com uns 24GB para aplicativos, fotos, vídeos, músicas, etc.

É um espaço consideravelmente bom, mas ainda assim, a interface TouchWiz poderia ocupar menos. É possível expandir a memória via microSD de até 200GB. Uma solução para quem gosta de produzir conteúdo constantemente com o smartphone.

Ainda durante os testes, as falhas foram quase zero. O aparelho conseguiu abrir aplicativos sem problema, mesmo quando já tinha outros em segundo plano. Alguns travamentos aconteceram quando dividi a tela para rodar dois apps. Uma vez ou outra, a interface reiniciava e era preciso abrir novamente as aplicações.

Para amantes de jogos, o S7 é uma opção muito boa também. O Game Launcher é uma ferramenta ótima para equilibrar o consumo de energia do aparelho, melhorar o desempenho do game e gravar partidas. O smartphone rodou todos os tipos de game – de Candy Crush a Mortal Kombat – com desempenho ótimo, sem travar ou fechar os jogos.

A bateria de 3.000 mAh também foi aprovada durante o teste. Em um dia normal de uso, cheguei até o fim do dia entre 15% a 30% de carga. Quando você consome vídeos e jogos, é óbvio que o tempo de vida cai. Mas jogando duas horas sem parar, o consumo foi perto de 30% da bateria, o que eu acho considerável e que, se fosse adiante, eu iria criar calos nos dedos de tanto jogar.

Câmera do Samsung Galaxy S7

O Samsung Galaxy S7 tem câmera traseira de 12 megapixels. A fabricante decidiu reduzir os 16 MP do Galaxy S6, mas compensou com uma abertura f/1.7. Ou seja, o sensor permite a entrada de mais luz e fotos em ambientes mais escuros conseguem sair com uma qualidade melhor.

Os modos da câmera suprem as necessidades de quem gosta de tirar foto, mas não possui técnica, aos mais exigentes também. Percebi que fotos em ambientes mais escuros trazem mais detalhes do que as tiradas com a luz do dia. Mesmo assim, o sensor do S7 consegue capturar muito bem as cores, sem precisar usar o modo HDR. Por sinal, é um modo que, assim como no Zenfone 3 da Asus, deixa as fotos “pixeladas” e com uma certa queda de qualidade, principalmente nas bordas.

Vale ainda comprar o Samsung Galaxy S7?

Talvez a maior barreira do S7 seja o preço. Mas, sério. Acho que o preço é o grande vilão atual na hora de trocar de smartphone. O Galaxy S7 foi lançado em 2016 por R$ 3.799, mas está por R$ 2.599 no site da Samsung, mas varia até R$ 3.199 em outras lojas. Com o anúncio próximo do S8, vários sites mostram que o novo top de linha deve ter versão com 4GB e 6GB de RAM, processador Snapdragon 835 e outra variante com um Exynos e possível câmera de 20MP. Já a tela deve ser maior que a do S7, assim como a bateria, com capacidade de 3.275 mAh.

São rumores, mas não acho configurações maravilhosas para esperar o novo smartphone. Vamos ser sinceros também. O S7 ainda tem mais alguns anos de vida e a Samsung lançou recentemente o Galaxy A7 2017 por R$ 2.299. Daí vale colocar na balança: pagar preços semelhantes por smartphones de categorias diferentes?