COMPARTILHAR

Não há como negar que, em toda entrevista de emprego, bate a ansiedade para saber se você fez os requisitos, ou não, para determinado cargo. E imagina ler ou ouvir que você não vai ficar com a oportunidade por motivo fútil?

Foi o que aconteceu com Carla Forcada, que vive em Barcelona, na Espanha. A mulher se candidatou para o cargo de executivo de contas em uma agência de relações públicas. O que ela não esperava foi receber um e-mail informando que a empresa buscava um homem para “lidar com o dia a dia, as visitas, o conhecimento de produção, etc.”.

Um dos argumentos é que a função exigiria demandas com as contas da Coca-Cola e Carglass. Carla tirou um print do e-mail e divulgou em sua conta no Twitter. “Incrível pensar que algumas empresas ainda não apoiam a igualdade de gênero”, escreveu no microblog.

A Coca-Cola Espanha divulgou uma nota, no Twitter, informando que não trabalha mais com a agência. A conta ainda comunicou que apoia empresas que possuem políticas de inclusão, diversidade e igualdade. “Lamentamos que o nosso nome tenha sido alinhado com essa resposta discriminatória e infeliz”, tuítou a marca.

A Carglass também tuítou um pedido de desculpa para Carla. A empresa disse ter ficado ofendida com o e-mail da agência. “Atos como este não representa nossa posição”, escreveu a companhia, afirmando que promove a igualdade de gênero.

Do outro lado, a agência

Com a divulgação do caso, vários usuários começaram a atacar a agência de relações públicas. O site da Impulsa Comunicación foi tirado do ar. Além disso, o diretor da empresa, em entrevista ao jornal espanhol ABC, disse que “em nenhuma circunstância” a companhia aceita discriminação. “Peço desculpas pelo mal entendido. Eu falei pessoalmente com a candidata”, falou o executivo.

Foto da capa: Câmera de Comércio e Indústria Luso Espanhola