Coluna

[Coluna] 2015, para que quero descer

Quem acompanhou o Jornal Nacional ontem deve ter visto a reportagem sobre o caso de racismo contra a jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, alvo de ataques nas redes sociais em julho deste ano. O Ministério Público comandou uma operação em oitos estados para apreender provas por crime cometidos contra a profissional. Foram 25 mandados de busca e apreensão em São Paulo, Fortaleza e tantas outras cidades. Entre os suspeitos, um garoto de 16 anos. Outro, de Goiás, se recusou a prestar depoimento. Ele é um dos líderes e agora será notificado formalmente para conversar sobre o caso. Já um suspeito de São Paulo disse em depoimento que os ataques aconteceram porque a internet é terra sem lei e que esses grupos buscam chamar a atenção da mídia. E chamou. A primeira coisa que pensei quando vi a matéria foi “Céus, ele é moreno e consegue ser preconceituoso com a própria cor?”. Num País em que há miscigenação enorme, preconceito racial era algo que não deveria existir. Mas como é muito mais fácil apontar o dedo, principalmente na internet, a gente quer se livrar de nossas ~mágoas~ (entenda: descontar algum preconceito sofrido em outro de pele com tom igual ou mais escuro). Mas isso se tornou uma guerra tão grande, que até pornografia infantil já foi envolvida no caso. Os agressores podem pegar pena mínima de quatro anos e máxima de 13 anos por crimes de racismo, injúria e organização criminosa. Será mesmo que a internet é terra sem lei?

Qlik
A Qlik, empresa de visual analytics, lançou o QlikView 12, nova versão da solução de Data Discovery da marca. Entre as novidades, integração com a segunda geração do QIX Associative Data Indexing Engine; criptografia aprimorada; funcionalidades mais acessíveis em dispositivos móveis, entre outras. A plataforma já está disponível para os clientes Qlik. A versão Personal Edition da ferramenta também está à disposição para download gratuito no http://www.qlik.com/download.

Street Fighter V
O aclamado jogo de luta terá inicialmente 16 jogadores, divulgou a Capcom através de um vídeo (veja abaixo). Lutadores adicionais poderão ser adquiridos através do próprio game, sem a necessidade de gastar algum dinheiro por fora. Além disso, a produtora anunciou a “Hot Package”, capa alternativa que traz Ryu e Chun-Li em roupas provocantes. Street Fighter V chega no dia 16 de fevereiro para PC e PlayStation 4.

Nero 2016
A versão em português do Nero 2016 já está disponível no Brasil. O lançamento das versões Classic e Platinum acontece pela Boxware, distribuidora oficial do produto. A nova edição do Nero funciona como um kit multimídia para o Windows 10, com funcionalidades e recursos que incluem aplicativos de captura musical em 100 mil rádios online, edição de vídeo 4K e integração a celular e Smart TV. Os preços sugeridos de venda são R$ 299 (Nero 2016 Classic) e R$ 399 (2016 Platinum).

Apple, Apple, Apple…
Ok, a Apple Pencil mal chegou ao Brasil e o preço já sofreu reajuste. Com valor inicial de R$ 749, agora é possível encontrar o acessório por R$ 849 na loja da Apple. Será que ainda podemos chutar no dólar o motivo para o aumento, já que a Maçã não explicou nada? Para quem é fanático pela marca, mas tá achando tudo caro, há possibilidade de realizar um consórcio para garantir um iPhone, iPad, iPod e afins. Basta ir no www.lojaiplace.com.br. O financiamento pode ser em 36 meses a partir de R$ 99,97, mas você só recebe o produto quando terminar de pagar. Foi triste.

Foto: Slmadv

Vídeo: Capcom

Previous post

Mercado de smartphones volta a cair no terceiro trimestre

Next post

#CPBrasil: Startup&Makers e Maratona de Negócios com inscrições até dia 16

Thulio Falcão

Thulio Falcão

Eu sou jornalista e gosto de brindar. Na falta de um par, brindo só. O importante é o copo cheio. Nada melhor que jogar videogame ou discutir tecnologia num boteco de esquina.